Belo Horizonte / MG - sexta-feira, 06 de dezembro de 2019

Marcelo Resende

<meta name="google-site-verification" content="anb71SRSFhePJ_Lp92PSpmcIJLzcQKgSwUtp_p14hVQ" />

Seja bem-vindo(a) a este:

 

Praticamos a Cirurgia Torácica em Belo Horizonte.
Trabalhamos em equipe.
Estamos no Biocor, Santa Casa de Belo Horizonte, São Lucas e Hospital das Clínicas.
Estas são algumas das situações mais comuns que tratamos habitualmente.
  • Hiperidrose - tratamento de suor localizado.
  • Broncoscopia - pediátrica e de adulto.
  • Traquéia - estenoses, traqueostomias, malácia...
  • Pulmão - bolhas, pneumotórax, tumores...
  • Mediastino - tumores...
  • Derrame pleural - "água na pleura"
  • Parede torácica - peito escavado e carinado, além de tumores...

Cirurgia Torácica




Desenvolvido para promover a saúde, este site oferece conteúdo fidedigno,
correto, protegendo a privacidade dos pacientes e respeitando as normas regulamentadoras do exercício ético-profissional da medicina e nunca descartando a necessidade da consulta para o tratamento e o esclarecimento de dúvidas.



Como utilizar as informações médicas


As informações que você irá encontrar visam complementar, mas nunca substituir o relacionamento entre médico e pacientes. 


Não tenha receio de entrar em contato por e-mail para perguntar alguma coisa mais específica.


Fotos


As fotos médicas encontradas neste site são resultado da nossa prática diária. Algumas podem ser fortes, mas tem o intuito de ajudar a entender o texto e a técnica cirúrgica utilizada.


Pessoalmente gosto de fotografias "artísticas", tenho algumas postadas no Flickr... http://www.flickr.com/photos/78518060@N00/  Não são fotos relacionadas à medicina ou cirurgia!


Histórico da Cirurgia Torácica


Introdução

   Os relatos de manipulações cirúrgicas do tórax datam de milênios. Hipócrates há cerca de 500 a.C., já reconhecia a história natural do empiema , descrevia sua drenagem com cautério ou faca e previa a evolução do paciente baseado no aspecto do pus:


“Se o pus fluir pálido e brancacento, o paciente sobreviverá. Se for misturado com sangue, turvo e mal cheiroso, ele morrerá”


  Apesar da origem antiga, a cirurgia torácica só se tornou bem aventurada quando os mecanismos fisiológicos da respiração foram compreendidos. A  pressão negativa intrapleural, que levava ao pneumotórax e morte,  toda vez que a caixa torácica era violada, foi durante séculos, uma barreira intransponível para os cirurgiões.                                

 Sauerbruch, no final do século XIX, criou sua câmara de pressão negativa e conseguiu operar, vencendo a corrida contra a cianose e hipoxemia que sempre se instalavam e levavam ao colapso cardio-respiratório antes do término da cirurgia.  Somente a partir de 1930, com o advento da anestesia com intubação orotraqueal e ventilação com pressão positiva, a toracotomia tornou-se um meio tão seguro quanto a laparotomia e largamente praticada.

  Em 1933 Graham e Singer realizaram a primeira pneumonectomia com sucesso,  marcando o início da era das exéreses como terapêutica  cirúrgica pulmonar. Antigos sanatórios de tuberculose , berço da maioria das grandes escolas de cirurgia torácica, começam a ceder alguns dos seus leitos a pacientes vitimados por uma epidemia ainda silenciosa. A incidência do câncer de pulmão ascendia desapercebida, ofuscada pela peste branca, que aguardaria por mais 20 anos até o surgimento dos tuberculostáticos.

  No final da Segunda Grande Guerra o mundo é dividido em dois grandes blocos. Nos Estados Unidos e Europa Ocidental surgem grandes nomes como Overholt, DeBakey e Price Thomas.  Do outro lado da cortina de ferro, em Moscou, Perelman desenvolve técnicas de cirurgia da traquéia e do ângulo carinal.

  Gibbon inicia seus ensaios com sua máquina de circulação extra corpórea. A cirurgia cardíaca começa a dominar a cena. O cirurgião torácico é fascinado pelo coração e perde o interesse pelas demais vísceras do tórax. Os tuberculostáticos quase põem fim na cirurgia da tuberculose. Surge a cirurgia cardiovascular. O cirurgião que conhecia as sequelas da tuberculose, como conduzir o empiema, aplicando a técnica adequada para cada caso, que nas sessões clínicas, disputava com pneumologistas e radiologistas a interpretação das imagens de planigrafias do tórax, já não tem mais tempo. Está ocupado demais operando o coração. A cirurgia torácica não cardíaca entra em colapso. Em muitos casos o pneumologista é obrigado a assumir a condução e indicação cirúrgica. O cirurgião geral era convocado, em uma função medular, para realizar cirurgias sobre as quais tinha pouco ou nenhum raciocínio crítico. A grande morbidade e mortalidade desnecessária são o resultado final.

 Na década de 80 o câncer de pulmão se transforma no tumor de maior mortalidade no planeta, ceifando milhares de vida e devorando grandes fatias dos caixas da previdência. A tuberculose recrudesce, mesmo nos países desenvolvidos, associada a uma síndrome de imunodeficiência adquirida de origem ainda não determinada. A ciclosporina surge viabilizando o transplante pulmonar. Na década de 90 surgem as microcâmeras e grampeadores, permitindo ressecções pulmonares com técnicas minimamente invasivas. O cirurgião torácico já não é mais chamado somente resolver aquele caso de empiema pleural complicado.  Está criado o meio propício para o renascimento de uma especialidade. A cirurgia torácica ressurge fascinando, rompendo novas fronteiras e atraindo centenas de novos cirurgiões. Os sustentáculos para seu exercício envolvem um conhecimento sólido da Cirurgia Geral, Pneumologia, da Radiologia do tórax e Endoscopia respiratória (rígida e flexível).